Procuram-se: Heróis invisíveis. Nem todo herói usa capa

Nem todo herói usa capa

Procuram-se: Heróis invisíveis:

Moro em um condomínio residencial como qualquer outro: algumas pessoas são simpáticas, outras têm aversão a seus vizinhos, enfim, um ambiente normal, com pessoas seguindo seus estilos comportamentais, muitas vezes preocupadas apenas com suas próprias fraquezas.

Aqui no condomínio tínhamos o Gomes, um zelador simples em suas vestimentas, mas que mantinha o uniforme sempre bem apresentável. Gomes deveria ter entre 35 e 40 anos, com marcas de expressão que demonstravam um pouco mais, retratando as dificuldades que ele possa ter tido. Sempre tratei o Gomes como qualquer outra pessoa que encontro pelo condomínio, e isso significa que sempre disse os cotidianos “Bom dia, boa tarde, boa noite…”. Com o tempo, estes “Bom dia…” tornaram-se conversas mais duradouras, normalmente de cinco a dez minutos, embora algumas vezes passassem dos trinta.

Gomes tinha uma aparência frágil, aparentava ser necessitado e triste. Muitas vezes era de se encontrá-lo a revirar a casa de lixo do condomínio. Para minha surpresa, Gomes não precisava de muita ajuda – certamente ele e a esposa viviam com pouco, mas viviam bem e eram aparentemente felizes — e suas buscas no lixo eram por objetos e pequenos móveis que ele doava para outras pessoas. Lembro de uma certa vez ele citar que já tinha ajudado muita gente com móveis doados por moradores do condomínio ou achados no lixo, e que ele e a esposa sempre ajudavam muita gente. Depois que soube disto, sempre que eu trocava algum móvel, ia lá chamar o Gomes e ajudava ele a descer com o móvel no depósito; mais tarde ele faria questão de encontrar um necessitado.

“A esposa doou aquela sua geladeira pra uma conhecida, o filho viciado vendeu quase tudo que ela tinha em casa” — disse ele certa vez.

Quando o mandato do síndico anterior acabou, umas das primeiras atividades do atual síndico foi substituir o Gomes. Em uma reunião de condomínio questionei o motivo da saída do nosso querido zelador, o que, para minha surpresa, fez vários outros moradores se manifestarem, questionando a mesma coisa. O síndico havia solicitado a troca porque não gostava do jeito que o Gomes lidava com as coisas, e que ficou sabendo que ele estava tratando um quadro de depressão que estava impactando em seu rendimento.

Pra mim foi uma surpresa, porque Gomes estava sempre sorridente, fazia piadas e ria muito, e ainda assim, fazia questão de ajudar o próximo. E onde já se viu, solicitar a troca do zelador porque o mesmo estava doente? Onde estava a preocupação dele com o zelador de tantos anos? Qualquer um, em momentos que exigem mais de nós emocionalmente, acaba não tendo a participação esperada em outras atividades.

Provável que o atual síndico nunca havia tratado nada muito próximo ao Gomes. Talvez se ele tivesse dado um pouquinho de seu tempo para conhecer melhor a pessoa que o Gomes é, veria que reside nele um herói invisível, que mesmo em seu momento de dificuldade, pensava no bem do próximo.

A ação, além da visão

Quantos heróis invisíveis passam por nossas vidas sem nos darmos conta? Nosso pré-julgamento comumente nos faz ter uma visão simplista (ou seria pessimista) daqueles que conhecemos pouco. Quantas vezes você foi um herói invisível, auxiliando pessoas mais necessitadas de qualquer forma que seja, e assim pode ser mal visto por muitos que te desconhecem? Ou foi mal interpretado em um momento difícil de sua vida?

Quero deixar explícitas duas mensagens neste artigo:

a) Quando alguém não for o que você esperava que fosse, ou quando alguém está agindo de forma inesperada, antes de julgar ou reagir pense que aquela pessoa pode estar enfrentando dificuldades maiores naquele momento;

b) Existem pessoas boas ao seu redor, e elas tanto podem ser ricas, pobres, graduadas, analfabetas, feias ou bonitas. O que elas transparecem em determinados momentos não tiram o fato de serem boas pessoas;

Você pode ser um herói invisível fazendo uma pequena diferença na vida das pessoas ao seu redor, não é preciso procurar pra saber que sempre existe alguém precisando de ajuda, às vezes apenas não prestamos atenção nisso. E se você tem problemas, não se sinta exclusivamente especial por isso, dificuldades existem em diferentes intensidades durante toda sua vida, mas isso não impede que você pense e auxilie o próximo.

Uma pessoa comum é um herói disfarçado, ou um herói se disfarça de pessoa comum?

Os verdadeiros heróis invisíveis são essas pessoas comuns do seu dia a dia (e você mesmo para elas), que fazem pequenas ações de melhorias na vida de outras pessoas sem gritar aos mundos e fundos para que todos vejam, para elas, basta fazer a diferença.